quarta-feira, fevereiro 13, 2008

(re)publicações

«As pessoas que deixamos de ver, de ouvir, de ler, nem por isso se afastam da nossa existência. O que sucede com maior frequência é precisamente o oposto. Essas pessoas, as que deixamos de ver, de ouvir, de ler, são as que mais estão dentro de nós. De forma dura, incómoda até. Quando penso nessas pessoas, sempre que penso nessas pessoas, quando não passa um dia sem que pressinta a sua presença em forma de sombra, de dúvida, de escuro, quando penso nessas pessoas, dizia, percebo que a dimensão do meu ridículo não cabe sequer dentro de mim. Dentro de mim, onde habitam essas pessoas. Presto-lhes, por isso, o meu tributo. Sejam bem vindas, pessoas ausentes. Vocês são a minha substância.»

(Harunnas Tedelski, in “Talvez um dia faça cocó no passeio – Visões semânticas da dialéctica entre o ser e o infinito” )

4 Comments:

Blogger barb michelen said...

Hello I just entered before I have to leave to the airport, it's been very nice to meet you, if you want here is the site I told you about where I type some stuff and make good money (I work from home): here it is

2:39 da tarde, abril 01, 2008  
Blogger Jorinhs said...

Eu deito fora a minha substância... fazendo cocó no passeio...

4:20 da tarde, julho 02, 2008  
Blogger belchi said...

Sinto o mesmo em relação aos ausentes presentes, às vezes, queria mesmo libertar-me deles mas não consigo. Talvez cagar no passeio os espante de vez.

2:35 da tarde, agosto 28, 2008  
Blogger fatimapombophotos said...

de qualquer forma existência nos faz um cocô...

4:37 da tarde, setembro 19, 2009  

Enviar um comentário

<< Home